Onde as palavras só serão lidas por quem as quiser absorver...

sábado, 25 de dezembro de 2010

25 Dez.

Estava quase… Já só faltavam umas horas… Pensei mesmo que era desta, ia quebrar a tradição! Pensei que conseguia, que era forte o suficiente… Quase podia jurar que ia ser este ano!

O tempo ia passando e eu sentia-me orgulhosa! Ignorei tudo o que me lembrasse que hoje é Natal, fechei-me no quarto para que todos os enfeites e símbolos da época me passassem ao lado e eu esquecesse por momentos o tempo que me rodeia.

Mas depois tu ligas-te! E toda a saudade que me devora me disse porque não estavas aqui, toda a alegria que tu desprezas me consumiu… E mais um Natal eu não consegui!

Mais uma vez escrevo a chorar, porque hoje é Natal e eu não tenho esse carinho que preciso, esse amor, essa família que apoia e suporta nos momentos mais difíceis…

E mais um ano se passa um Natal, igual a todos os outros, desejando que no próximo eu seja capaz de dizer “Eu até gosto do Natal” sem que os meus olhos se encham de lágrimas e neguem tudo aquilo que acabei de dizer…

(Não te culpes, meu anjo, apenas não sou capaz…)

3 comentários:

Kiro Menezes disse...

E a dor que te é voraz nos encanta... que a poesia é tanta que faz a viagem mais curta e encurta tantas distancias...!

Um ano pleno e repleto de poesias a ti!!!

Malu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Malu disse...

É incrível a ligação entre a dor e a inspiração dos poetas... Quem poderá entender?
Ainda que a dor seja uma inspiração, desejo a você muitas alegrias e que estas te façam uma poetisa ainda melhor.

Um abraço

Sua seguidora,

Malu